29/09/2008

Adílson lamenta decepção azul

por Emanoel Ferreira

O técnico Adílson Batista disse que a derrota de 2 a 0 para o São Paulo, neste domingo, no Morumbi, pelo Campeonato Brasileiro, teve uma explicação: a forte marcação do adversário, que soube fechar os espaços para o Cruzeiro. Ele garante que o time não sentiu a pressão de disputar jogos decisivos, em busca das primeiras posições.

“Temos vários jogadores vencedores, acostumados a decisões. Conquistamos o título mineiro, fizemos bons jogos em algumas situações e conseguimos manter uma regularidade. Claro que o objetivo era sair com a vitória, na pior das hipóteses um empate. Infelizmente, tivemos dificuldade pela forte marcação do São Paulo”, observou o treinador.

Ele considera que o São Paulo soube utilizar o ponto forte: os lances resultantes da chamada “bola parada”, com cobranças de faltas e escanteios. “Não criamos situações por causa da forte marcação do São Paulo. Tivemos problemas no primeiro tempo, tentamos corrigir e pedimos para explorar um pouco mais determinado setor. Acabamos levando um gol em uma jogada forte do São Paulo, e depois o segundo no finalzinho. Não dá para tirar o mérito do adversário”, declarou.

Uma substituição que provocou comentários foi a de um lateral, Maurinho, por um atacante, Thiago Ribeiro. Logo depois da alteração, o Cruzeiro levou o primeiro gol, de André Dias. Adílson Batista disse que a mexida foi uma tentativa de o time agredir mais pelo lado direito, com Maurinho e Jonathan partindo para cima do improvisado Jorge Wagner.

“A intenção era fazer dois contra um pelo lado direito, ao lado Jonathan, sendo que o Fabrício iria segurar pelo setor esquerdo, dando mais liberdade ao Wagner. A substituição não foi para garantir o empate, o objetivo era fazer dois contra um em cima de um jogador que não é exímio jogador, como o Jorge Wagner”, explicou.

Sobre o fato de o Cruzeiro ter permitido a chegada do Flamengo e do próprio São Paulo, ambos empatados com o time celeste na tabela, com 46 pontos, o treinador encarou como normal. Segundo ele, é mais uma prova de que o campeonato é marcado pelo equilíbrio, mas o time precisa reagir para não correr o risco de ficar distante da briga pelo título.

“O time é regular, só deixamos o grupo dos quatro primeiros uma vez, na 14ª rodada, quando ficamos em quinto. Claro que poderíamos estar em situação melhor, mas o campeonato é equilibrado, tropeços acontecem e não é nada anormal perder para o São Paulo. O que precisamos é recuperar esses pontos perdidos nesses 11 jogos restantes. Vamos corrigir algumas coisas para encostarmos. Nosso objetivo continua sendo o título, que está aberto a várias equipes”, comentou.

28/09/2008

PLANTÃO >> São Paulo 2 X 0 Cruzeiro


Por Emanoel Ferreira

No duelo entre o segundo melhor mandante e o segundo melhor visitante do Brasileirão, prevaleceu a personalidade dos donos da casa. Com melhor atuação, principalmente no primeiro tempo, o São Paulo somou sua sexta vitória seguida no Morumbi, ao bater o Cruzeiro, por 2 a 0, neste domingo.
Depois de ser inferior durante toda a etapa inicial, a Raposa até melhorou no segundo tempo, mas não foi suficiente. O time estrelado teve duplo prejuízo com o revés, já que permitiu a aproximação do Tricolor paulista e do Flamengo, que agora também somam 46 pontos.
Com melhores critérios de desempate, os estrelados permanecem em terceiro lugar e enfrentam o Sport na próxima rodada, no Mineirão, na próxima quinta-feira.
O jogo

Candidatos ao título do Brasileirão, São Paulo e Cruzeiro começaram a partida com muita velocidade. O Tricolor pisou o gramado com desfalques importantes e não contava com o goleiro Rogério Ceni, o artilheiro Borges e o zagueiro Miranda. Mesmo assim, foram os paulistas que logo tomaram a iniciativa no Morumbi. Aos quatro minutos, Hernanes cruzou rasteiro para a área, mas Thiago Heleno desviou o perigo após um bate-rebate. Na seqüência, Joílson alçou uma bola da direita e Hugo, livre, cabeceou com veneno, mas Fábio fez boa defesa.
Pressionada, a equipe estrelada tentava responder nos contragolpes. Aos 11, Ramires escapou pela direita, mas cruzou em cima de Rodrigo. Os paulistas seguiam ditando o ritmo do duelo e voltaram a incomodar aos 16. Dagoberto chegou com perigo e tentou passar por Fabrício, mas foi derrubado na risca da grande área. Na cobrança da falta, Hernanes soltou uma bomba e Fábio, bem colocado, desviou.
Com menos poder de fogo, o Cruzeiro perdeu ótima chance aos 19 minutos. Ramires recebeu um passe de Wagner e bateu cruzado, de frente para Bosco, que defendeu no susto.
Após os 30 minutos, os comandados de Muricy Ramalho diminuíram o ímpeto e já não atacavam com tanta velocidade. Os chutes de fora da área passaram a ser mais explorados, como aos 37, quando Hernanes finalizou de longe, muito longe da meta de Fábio.
Antes do apito de Leonardo Gaciba, o Cruzeiro também tentou mexer no placar. Aos 43, Thiago Ribeiro invadiu área pela direita, mas recebeu o combate de Rodrigo, que ficou com a bola.
Segundo tempo

Após um primeiro tempo movimentado, os dois técnicos optaram por manter a formação inicial e não mexeram nas equipes. A primeira iniciativa foi celeste. Logo na segunda volta do relógio, Thiago Ribeiro arriscou um chute de longe, por cima da meta de Bosco.
O Cruzeiro voltou mais ligado na partida, arriscando mais. Aos quatro minutos, Guilherme percebeu que Bosco estava adiantado e tocou para o gol, assuntando o camisa 1 tricolor.
Aos oito minutos, Adílson Batista foi obrigado a mexer na equipe. Ramires deixou o gramado contundido, para a entrada de Elicarlos.
Depois de um início mais tímido na etapa complementar, o São Paulo voltou à carga. Aos 10, após um cruzamento da direita, Jorge Wágner emendou e Thiago Heleno salvou em cima da linha, quando Fábio já estava vendido no lance.
A resposta estrelada veio logo em seguida e também foi muito perigosa. Aos 18, Thiago Ribeiro recebeu uma bola e ganhou de dois marcadores na corrida, antes de emendar de fora da área. A bola tirou tinta da trave paulista.
Ao contrário dos primeiros 45 minutos, quando mandou no jogo, o São Paulo permitia espaços ao Cruzeiro e o confronto era bem mais equilibrado no segundo tempo. Aflito com o 0 a 0 no placar, Muricy Ramalho mexeu no time. Sacou André Lima e colocou Borges em campo.
Com dificuldades para tramar, o São Paulo passou a arriscar nas bolas aéreas. Aos 28, Jorge Wagner cruzou e Hugo desviou de cabeça. Atento, Thiago Heleno salvou a Raposa mais uma vez.
De tanto insistir, o Tricolor achou a vantagem pelo alto. Aos 35 minutos, Jorge Wágner cobrou um escanteio pela direita e André Dias desviou com facilidade: 1 a 0 São Paulo.
Pouco antes de sofrer o gol, Adílson Batista tinha mexido no time, sacando Thiago Ribeiro para a entrada de Maurinho. A reação, com apenas Guilherme na frente, ficava bem mais difícil. Para tentar compensar o setor, o treinador celeste tirou Jonathan do time e colocou Gérson Magrão entre os titulares, mas já era tarde. Aos 48 minutos, já nos acréscimos, o São Paulo ampliou a contagem. Jancarlos cobrou uma falta com perfeição, no ângulo direito de Fábio: 2 a 0 para os paulistas.
Após a derrota, a Raposa terá três jogos seguidos dentro de casa para tentar buscar a reabilitação.

Fale Conosco - cruzeironews@rocketmail.com

23/09/2008

PALAVRA DO AUTOR >> Lista Célebre da Crônica Mineira


Postei na semana passada, neste mesmo espaço aqui no Cruzeiro News, um texto com um título nada polêmico: Lista Negra da Crônica Mineira. Pois recebi, afortunadamente, variados e-mails em meu endereço pessoal (emanoelferreira@ymail.com) e nossa equipe também recebeu diversos e-mails no endereço oficial do blog (cruzeironews@rocketmail.com), todos falando sobre a citada postagem.

Alguns dos tais e-mails se apresentavam me martirizando, referindo-se a mim como “um mísero cruzeirense alienado” (e-mail de Raquel Martins) ou um “zero-à-esquerda tentando aparecer” (e-mail de Vinicius Junqueira) ; Digo-vos que todos esses e-mails foram respondidos e muito bem, se me permitem o comentário. Contudo, mantenho minha posição de crítica à certos “brincalhões” da mídia.

Mas nem tudo são trevas na crônica esportiva mineira; Ao contrário de Paulo Roberto Prestes e Reinaldo Lima (já citados em outra ocasião), temos sensacionais cronistas esportivos dentre os quais destaco toda a equipe do programa “Aqui Esportes” (tv horizonte/Rede Catedral), o polêmico e ilustre Lélio Gustavo, seu companheiro de programa Chico Maia, João Vítor Xavier e toda a equipe do “Bastidores” (Rádio Itatiaia), Dimara Oliveira e toda a equipe do “Band Esportes” (Band Minas/Bandeirantes), toda a equipe do “Turma do bate bola” (Rádio Itatiaia), Thiago Reis, o brilhante Álvaro Damião, etc.

São estes destacados por mim, não pelos times que torcem, mas por sua imparcialidade e profissionalismo; Temos, por exemplo, o enaltecido por mim, Lélio Gustavo, que nunca negou sua paixão pelo Atlético Mineiro e ainda sim mantém seu caráter profissional.

Por fim, agradeço aqueles que enviaram e-mails para mim e para a equipe do blog com intenção de ajudar-nos e de nos incentivar; A esses, meu muito obrigado.

Aquele abraço,


Emanoel Ferreira – emanoelferreira@ymail.com


21/09/2008

PLANTÃO >> Figueirense 3 X 4 Cruzeiro

por Emanoel Ferreira

Contando com uma excelente atuação da nova dupla de ataque – Guilherme e Thiago Ribeiro – , o Cruzeiro obteve uma importantíssima vitória neste domingo, no Sul do país. Com dois gols de Guilherme, um de Thiago Ribeiro e outro de Henrique, o time de Adílson Batista bateu o Figueirense por 4 a 3, no Orlando Scarpelli, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols do Figueira foram marcados por Bruno Santos, Ramon e Diogo.

Com o resultado, o Cruzeiro chegou aos 46 pontos e segue mais vivo que nunca na briga pelo título do Brasileirão. Isso porque o líder, Grêmio, empata com o Atlético-PR, em Curitiba, por 0 a 0 (jogo nos minutos finais). Com isso, a diferença entre as duas equipes pode cair para apenas quatro pontos.

Na próxima rodada, o Cruzeiro tem um difícil compromisso contra o atual bicampeão brasileiro, São Paulo, no Morumbi. A partida promete muito, já que as duas equipes brigam na parte de cima da tabela. Já o Figueirense encara outro mineiro, o Atlético, em Belo Horizonte.

O jogo

O jogo começou lento, com as duas equipes se limitando a trocar passes no meio-campo, com pouca objetividade. O primeiro lance de perigo aconteceu aos seis minutos, depois que Alex Cazumba recebeu livre na direita e cruzou forte. O atacante Bruno Soares tentou completar de letra, mas pegou mal na bola, facilitando para a defesa cruzeirense.

O lance do Figueira serviu para acordar o time de Adílson Batista. Aos 8 minutos, Thiago Ribeiro fez ótima jogada pela esquerda, se livrou de dois marcadores e cruzou rasteiro. A bola passou pelo goleiro Wilson, mas a zaga tirou antes que Guilherme emendasse para as redes.

Quatro minutos mais tarde a nova dupla de ataque celeste começou a mostrar serviço. Guilherme acertou um lindo passe para Thiago Ribeiro que, quase na pequena área, chutou para grande defesa de Wilson. O Cruzeiro continuou em cima e não demorou muito para abrir o marcador.

Aos 13, Guilherme encontrou Wagner, que invadiu a área adversária e bateu cruzado, de perna direita. O goleiro do Figueirense não conseguiu segurar firme e Guilherme completou para as redes. Foi o 14º gol do atacante no Campeonato Brasileiro.

Depois do primeiro gol, o Cruzeiro tirou o pé do acelerador e o Figueirense agradeceu. Aos 25, Diogo avançou pela direita e cruzou para Bruno Santos. O atacante aplicou um lindo drible em Jonathan, que caiu sentado, e bateu no canto direito do goleiro Fábio.

Não deu nem tempo de comemorar. Aos 28, escanteio para o Cruzeiro pela esquerda. Wagner cobrou na primeira trave, a zaga aliviou mal e o volante Henrique bateu forte, sem chances para Wilson. Dois minutos depois o time da Toca desperdiçou ótima chance para ampliar. Thiago Ribeiro recebeu lançamento pela direita e driblou Wilson, mas bateu por cima do gol.

O jogo continuava eletrizante e o Figueirense voltou a igualar o marcador aos 36. Após bom cruzamento da esquerda, Ramon cabeceou fraco, no chão. O goleiro Fábio se atrapalhou no lance a acabou aceitando.

A última chance do primeiro tempo foi do Cruzeiro. Após bola alçada na área do Figueira, Henrique ajeitou de cabeça e Guilherme, na pequena área, isolou por cima do gol, desperdiçando excelente oportunidade.

Segundo tempo

Nem o intervalo foi suficiente para esfriar o ânimo das duas equipes. Aos dois minutos, o Figueirense perdeu uma chance incrível de virar o jogo. Bruno Santos recebeu lançamento e tentou driblar Fábio. O goleiro celeste conseguiu tocar na bola, que sobrou limpa para Ramon. Sozinho, o meia conseguiu o mais difícil e bateu para fora.

Aos 13, o time da casa foi recompensado pela disposição. Após bate-rebate na entrada da área, a bola sobrou limpa para Diogo que, de primeira, bateu no canto direito de Fábio: 3 a 2 Figueira.

Logo no minuto seguinte o Cruzeiro voltou a perder grande chance. Guilherme recebeu ótimo lançamento pela direita, invadiu a área e bateu rasteiro. Wilson fez uma espetacular defesa com o pé direito.

Aos 23, nova igualdade no marcador. Maurinho acertou um lindo passe para Camilo, que tocou para Thiago Ribeiro. O atacante teve tranqüilidade para driblar um marcador e bater firme no canto esquerdo de Wilson.

O empate não bastava para o time celeste, que continuou criando boas chances. Aos 33, a dupla de ataque voltou a dar mostras que ainda pode dar muitas alegrias ao torcedor cruzeirense. Marquinho Paraná avançou pela direita e cruzou para Thiago Ribeiro, que bateu cruzado. Pela segunda vez no jogo, o goleiro Wilson rebateu mal e a bola sobrou para Guilherme, que marcou seu segundo gol, selando a vitória.


20/09/2008

PALAVRA DO AUTOR >> Lista negra da crônica


Com um título nada polêmico, começo aqui a definhar os badalados, porém medíocres, comentaristas da crônica mineira; E já começo de cara com o ex-jogador (e muito bom) do timinho do outro lado da lagoa: Reinaldo Lima. O camarada é ex-jogador do patético mineiro e, como se não bastasse, vomita sobre os telespectadores seus comentários completamente tendenciosos ao penado mineiro. Costumo dizer que futebol é 90% de racionalidade, ou seja, ganha aquele que tem o melhor time titular, e os 10% restantes de surpresas. Mas para o já citado cronista, isso parece se inverter. Têm pois o péssimo e até hilário hábito (hilário por ser tão medíocre) de credenciar o Clube patético mineiro como favorito em seus confrontes, principalmente contra times infinitamente superiores! Ora Reinaldo Lima, faça-me o favor! Compreendo a função que você exerce na televisão de defender as franguinhas mineiras, mas em certos momentos você é simplesmente ridículo! E o pior é que você conquista inimizades até mesmo entre os sofredores torcedores do frango, que o ouvem e simplesmente desligam a tv de raiva, pois sabem que o time será massacrado! Outro extremamente tendencioso e medíocre cronista mineiro, e também atleticano, é o ex-jogador Paulo Roberto Prestes; Imaginem vocês que o brincalhão teve a incoerência de dizer (no dia 13/09/2008 – programa “Bola na área” da Alterosa/Sbt) que o Cruzeiro (atualmente – 20/09-2008 - terceiro colocado no brasileirão, a seis pontos do Grêmio, o então líder) só alcançaria o time gaúcho por via de um milagre! São SEIS pontos de desvantagem e não 600! Vê-se por aí a tedenciosidade de certos pseudo-comentaristas. Tudo começou na verdade, quando Leopoldo Siqueira (excelente apresentador) levantou no ar uma enquete sobre o que estava mais fácil de acontecer: O patético ganhar uma vaga na libertadores (opção 1), o Ipatinga não cair (opção 2) ou o Cruzeiro ser campeão (opção 3). Como já era de se esperar a opção 3 levou a melhor e o medíocre Paulo Roberto Prestes se manifestou, visivelmente irritando não com o resultado da enquete, mas com tamanha disparidade da porcentagem (86%); O “ilustre” e “influente” “cronista” declarou: __Este 86% são a parte muito otimista da torcida do Cruzeiro. Em suma, digo que comentaristas como estes são, no mínimo, “brincalhões”. De fato, como disse Zagallo, “terão que nos engolir” e, no mais, devem continuar sua árdua missão que se arrasta através dos anos: Chorar os triunfos do nosso Cruzeirão.

Um abraço leitores do Cruzeiro News,

Emanoel Ferreira – emanoelferreira@ymail.com


Preliminares >> Figueirense X Cruzeiro


A seqüência de jogos decisivos no Brasileirão 2008 continua, tanto para Figueirense, quanto para Cruzeiro. Nesta domingo, às 16h (de Brasília), as duas equipes se enfrentam no estádio Orlando Scarpelli, em Florianpopolis, pela 26ª rodada da competição. Enquanto o anfitrião reestréia o técnico Mário Sérgio e luta para não virar um novo integrante da zona do rebaixamento, os visitantes tentam se segurar no G-4 é seguir de perto na briga pelo título brasileiro.
Ambos podem sofrer conseqüências duras em caso de der
rota. Para o time celeste, que está com 43 pontos, pode significar até a saída da zona de classificação, dependendo dos resultados de Botafogo, São Paulo e Vitória, clubes que podem ultrapassar a Raposa. O Alvinegro tem 28 pontos e corre risco de dormir na degola, e perder posições para Atlético-PR, Vasco e Fluminense.

Pontes de Paiva de volta

As mudanças do Figueira começam no comando. Com a demissão de PC Gusmão na última segunda-feira, Mário Sérgio Pontes de Paiva foi escolhido para tirar o clube da zona de risco - está apenas dois pontos acima dos quatro últimos colocados.
O treinador, porém, terá muito trabalho para colocar a equip
e de volta aos eixos. No seu segundo treino no Figueira, ele sentiu o tamanho da crise. Cerca de 40 torcedores de uma facção organizada foram ao Scarpelli protestar e soltaram um rojão no campo.
Para mudar o panorama, a diretoria anunciou quatro contratações esta semana: o zagueiro Alex Bruno e o lateral-esquerdo Alex Cazumba vêm do São Paulo. O atacante Lima foi contratado ao Corinthians. Por último, o lateral-direito Peter, ex-Ituano. Todos já estão regularizados no Boletim Informativo Diário da CBF e podem enfrentar o
Cruzeiro.
A presença dos quatro reforços entre os titulares, no entanto, ainda não é garantida. Mário Sérgio fez diversos testes durante a semana e não divulgou a escalação. Certo mesmo é o retorno do meia Cleiton Xavier, que cumpriu suspensão na última rodada, assim como o zagueiro Asprilla. Por outro lado, o atacante Tadeu e o zagueiro Bruno Aguiar estão suspensos.

A diretoria do Figueira anunciou que fará uma promoção para lotar o Scarpelli. Cada sócio que comprovar seu vínculo com o clube poderá levar cinco acompanhantes, que terão desconto de 50% no preço dos ingressos.

Desfalques celestes importantes

Na Raposa, o técnico Adilson Batista não poderá contar ainda com o lateral-esquerdo Jadilson. Seu substituto imediato, Fernandinho, também não viajou com a equipe. O jogador sofreu uma pancada na coxa esquerda e ficará em Belo Horizonte.
Outro que não viaja com o grupo é Ramires. O volante sentiu uma lesão na coxa direita, na partida contra o Palmeiras, no último domingo e também desfalca a equipe. Elicarlos será o substituto no meio-de-campo.

- O professor pediu para eu fazer a função de segundo volante, mas vamos ver o que acontece - diz o jogador ao site oficial do clube.


O meio-campo terá mais uma baixa. Fabrício recebeu o terceiro cartão amarelo no último domingo e cumpre suspensão.
Por outro lado, Adilson terá os retornos de Thiago Heleno e Guilherme, que cumpriram suspensão na última rodada e de Marquinhos Paraná, que se recuperou de uma contratura muscular na coxa.


14/09/2008

PLANTÃO >> Cruzeiro 0 X 1 Palmeiras

A tarde tinha todos os ingredientes para ser de festa. O Grêmio tinha sido derrotado no sábado, o Palmeiras jogava desfalcado e o Mineirão contava com bom público para empurrar o Cruzeiro para cima do Verdão, em busca da 14ª vitória no Brasileirão. A boa mistura não foi eficiente. A Raposa foi derrotada em casa, por um rival direto, e entregou a vice-liderança de bandeja para os comandados de Vanderlei Luxemburgo.

Diego Souza marcou o único gol da partida e o Palmeiras deixa Belo Horizonte como segundo colocado do Nacional, três pontos atrás do líder gaúcho.

O jogo

Com o tropeço do Grêmio dentro de casa, diante do Goiás, nesse sábado, o jogo contra o Palmeiras ganhou tons ainda mais decisivos para o Cruzeiro no Mineirão. Além da vice-liderança isolada, uma vitória sobre o Verdão valia diminuir a vantagem dos gaúchos para apenas três pontos.

Logo aos 20 segundos, a Raposa mostrou que estava bem disposta: o estreante Thiago Ribeiro arriscou um chute de longe, mas Marcos encaixou fácil. A resposta paulista foi mais perigosa: Lenny foi lançado em velocidade, mas Fábio saiu bem do gol para travar o chute, quando o jogador palmeirense já estava em posição irregular.

Sem Alex Mineiro e Kléber, suspensos, o Verdão não conseguia ser agressivo e dificultava a criação celeste, com uma marcação muito forte, principalmente no meio-campo. As jogadas pelas laterais e as bolas alçadas na área eram as principais tentativas da equipe de Luxemburgo. Aos 15 minutos, Leandro cobrou um escanteio fechado pela direita e Fábio subiu para tirar de soco.

Vigiados de perto, os celestes só arriscaram de novo aos 18 minutos. Após um cruzamento da direita, Wagner emendou de primeira, mas muito alto, longe do travessão. Aos 22, nova tentativa: Ramires sofreu uma falta no bico esquerdo da grande área, mas Fabrício cobrou sem eficiência, desperdiçando uma boa oportunidade.

Atento para dar o bote nos contragolpes, o Palmeiras teve uma ótima chance para mexer no placar aos 30 minutos. Após um cruzamento da direita, Lenny subiu sozinho, debaixo das traves, mas cabeceou mal, de frente para Fábio.

No último terço do primeiro tempo, a Raposa já conseguia chegar com mais facilidade na área paulista. Aos 32, Ramires dominou pela direita e alçou a bola para Wagner, que cabeceou rente ao travessão. Um minuto depois, nova chance: Jajá recebeu um ótimo lançamento, limpou o lance e bateu cruzado, exigindo elasticidade do camisa 1 palmeirense.

Sempre pelas laterais, o Verdão quase chegou à vantagem aos 38 minutos. Diego Souza fez uma festa na área estrelada, deixou três defensores para trás, mas foi travado por Martinelli na hora do chute e a bola saiu pela linha de fundo. Era o prenúncio do gol paulista. Aos 43, após uma cobrança de falta e uma bobeada da defesa, o mesmo Diego Souza ajeitou no peito antes de fuzilar Fábio, à queima-roupa: 1 a 0 para o Palmeiras.

Antes do apito de Héber Roberto Lopes, a Raposa ainda teve uma chance de igualar o marcador. Já nos acréscimos, Wagner invadiu a área e bateu cruzado, tirando tinta do poste direito de Marcos.

Segundo tempo

As duas equipes voltaram para a etapa complementar sem alterações. Em desvantagem, o Cruzeiro tomou a primeira iniciativa aos três minutos. Thiago Ribeiro recebeu na área, mas acabou desarmado por Maurício. O Palmeiras também atacou: Lenny foi lançado pela esquerda, mas foi travado pela defesa estrelada, que afastou o perigo.

Aos 10 minutos, o Cruzeiro quase chegou ao empate. Wagner cobrou uma falta para a área e Thiago Ribeiro desviou com veneno. A bola passou muito perto da trave palmeirense. Dois minutos depois, nova chance. Numa ótima trama, que envolveu Wagner e Ramires, a bola sobrou limpa para Thiago Martinelli, que chutou cruzado, já dentro da área.

Antes do primeiro terço do segundo tempo, o Palmeiras ficou com apenas 10 em campo. Lenny, que já tinha um cartão amarelo, fez uma falta em Thiago Martinelli e foi expulso. Após ganhar superioridade numérica, Adílson Batista mexeu no time: sacou Jonathan e colocou Camilo no gramado.

Com um a mais, o Cruzeiro tentava explorar os espaços do campo. Aos 22 minutos, Thiago Ribeiro cruzou e Ramires cabeceou sozinho, por cima da meta. Logo depois, num bate-rebate dentro da área, a Raposa teve outra boa chance para escrever igualdade no placar do Mineirão.

Em vantagem, Luxemburgo resolveu mexer no time. Sacou Diego Souza e Léo Lima para as entradas de Thiago Cunha e Jumar. No Cruzeiro, Adílson tirou Jajá do time e deu lugar a Gérson Magrão.

O Palmeiras aproveitava o placar favorável para jogar num ritmo mais cadenciado, sem afobação. Aos 37 minutos, Leandro escapou livre pela esquerda e chutou. Fábio saiu bem das traves e fez boa defesa.

Já no desespero, o treinador cruzeirense sacou Fernandinho e colocou Wanderley na equipe. No Verdão, Gladstone ficou com a vaga de Evandro. Aos 41 minutos, a Raposa teve mais uma chance: Thiago Ribeiro dominou antes de arrematar rasteiro. A bola desviou na zaga e saiu à esquerda de Marcos.

Já nos acréscimos, a última chance para buscar um placar igual: Fabrício tentou de longe, mas Marcos espalmou.

Depois de entregar a vice-liderança para o Palmeiras, o Cruzeiro tentará se reabilitar diante do Figueirense, fora de casa, no próximo domingo.

Duelo pela frente


Na vice-liderança do Campeonato Brasileiro, com a mesma pontuação do Palmeiras, terceiro colocado na tabela, o Cruzeiro terá, neste domingo, às 16 horas, no Mineirão, uma chance fundamental para entrar de vez na briga pelo título do campeonato: se bater o Verdão de Vanderlei Luxemburgo, a equipe de Adílson Batista terá como preocupação apenas a caça ao Grêmio, líder do torneio, com seis pontos de vantagem.

O confronto direto com os paulistas é encarado como decisivo pelos celestes, que se prepararam para a partida numa intertemporada em Águas de Lindóia-SP, durante toda a semana. Colocar três pontos de frente sobre os palmeirenses e mirar apenas os gaúchos é o desejo do time estrelado.

“A gente vai jogar da mesma maneira que jogamos contra o Vasco, ajudar a marcação desde lá da frente, jogando forte pelas laterais e marcando sem a bola”, disse Wagner, dando a receita para que a equipe consiga colher êxito neste domingo.

Para o camisa 10, a obrigação é vencer e o time não vai correr da responsabilidade. “Eles estão jogando a responsabilidade para nosso lado e não temos que correr dela não. Nós não estamos na segunda colocação e na briga pelo título por acaso”, destacou, em entrevista ao site oficial do clube.

Apenas uma dúvida

Após uma semana produtiva de treinamentos, o técnico Adílson Batista só tem uma dúvida para escalar a equipe, embora nunca revele com antecedência os seus titulares: Ramires ainda sente uma entorse no tornozelo direito e pode se juntar a Guilherme e Thiago Heleno (suspensos) na lista de desfalques.

No ataque, Jajá deve ter um estreante como companheiro. Thiago Ribeiro treinou bem e pode aparecer no time titular pela primeira vez. Reinaldo e Wanderley são as outras opções entre os relacionados.

Na zaga, Espinoza está de volta, após servir a seleção do Equador, e terá a companhia de Léo Fortunato ou Thiago Martinelli. Se Ramires não tiver condições de jogo, é provável que Camilo seja o escolhido para o setor. Se quiser dar mais agressividade ao time, o treinador pode optar por Gérson Magrão.

Palmeiras está pronto

Para sorte dos celestes, o Palmeiras tem dois desfalques importantes: Alex Mineiro e Kléber, suspensos, não jogam. Com isso, Vanderlei Luxemburgo não terá seus dois trunfos principais após a saída de Valdívia, negociado pelo clube.

Sem força na frente, o técnico optou pelo esquema 3-5-2 e vai improvisar um velho conhecido da torcida celeste na zaga: Martinez. Na frente, Evandro e Diego Souza vão apoiar Lenny.

Mesmo sem suas duas principais armas, o Palmeiras merece todo o respeito da Raposa. Para Thiago Martinelli, Diego e Evandro darão trabalho no Mineirão. “São jogadores rápidos, que trazem perigo ao setor defensivo e por isso temos que estar bem postados ali atrás. Talvez a gente não vá sofrer tanto em questão de bola alçada na área, mas são jogadores velozes, inteligentes que podem decidir em uma jogada individual. Por isso temos que marcar em cima”, avisou. (LM)

07/09/2008

PALAVRA DO AUTOR >> Apoio e Cobrança

Percebo a euforia à qual grande parte da torcido azul se submete quando os resultados favorecem o Cruzeiro. Percebo também que, infelizmente, anos após anos, o Cruzeiro nada e morre na praia do brasileirão. Não perdemos pois a fé; Pelo contrário, os resultados negativos nos impulsionam a procurar as vitórias em campo e nas arquibancadas. O apoio da torcida celeste se vigorou através dos anos graças a seu companheiro inseparável: a cobrança. Existem muitos que consideram a cobrança da torcido cruzeirense uma disparidades, falta de amor ao clube. Enganam-se! Vejamos pois o exemplo do patético e desprezível rival do Cruzeiro; Vangloriam-se por apoiarem o time, mas confundem apoio com tolice, burrice. A Nação Azul sempre estará de dedos cruzados e gritos preparados para apoiar o Cruzeirão, mas sabemos que cobrar é uma das melhores ferramentas para o pontapé inicial de uma reviravolta.

Digo-vos pois, leitores do Cruzeiro News, que a torcida celeste trilha e sempre trilhou o caminho certo para o sucesso de um Clube. Digo ainda, que a cobrança e o apoio devem permanecer inseparáveis, para que o Cruzeiro continue seguindo o caminho do progresso.

Aquele abraço,


Emanoel Ferreira – emanoelferreira@ymail.com

Baixas e Novidades contra Verdão

O Cruzeiro terá duas baixas para a partida contra o Palmeiras, no próximo dia 14. O zagueiro Thiago Heleno e o artilheiro celeste Guilherme receberam o terceiro cartão amarelo na vitória sobre o Vasco e desfalcarão a equipe. O volante Ramires, que deixou o campo sentindo dores no tornozelo direito, não preocupa.

O período de treinos em Águas de Lindóia será muito importante para o atacante Thiago Ribeiro. O jogador, que ainda não estreou com a camisa celeste, irá aproveitar o período para aprimorar a parte física, mas o técnico Adilson Batista prega cautela quanto a utilização do jogador desde o início.

– Vamos aguardar, ver como ele se comporta nessa intertemporada. Eu acho que é cedo para uma escalação, mas não deixa de ser uma possibilidade para o jogo contra o Palmeiras – considerou o treinador.

06/09/2008

Sorín é apresentado oficialmente


Após receber recepção calorosa na chegada a Belo Horizonte e aparecer na Toca II na sexta-feira, o argentino Sorín foi finalmente apresentado oficialmente como jogador do Cruzeiro na manhã deste sábado. Em sua terceira passagem pelo clube, o lateral não poupou elogios à torcida celeste e fez declarações de amor à Raposa.


- Tudo o que aconteceu aqui é verdade, não tem ficção. Foi uma história muito bonita, no início, muito dura, de adaptação, mas valeu muito a pena, até o dia de hoje. Estou muito feliz, muito contente. É uma escolha de coração, uma escolha de vida e logicamente uma escolha também pela estrutura que tem o Cruzeiro, pela a qualidade do time - afirma o jogador ao site oficial ao clube.


Um dos maiores ídolos do torcedor celeste, Sorín foi apresentado pelo presidente Alvimar de Oliveira Costa que ressaltou a identificação do argentino com o clube.


- É com muita alegria que recebemos de volta um dos maiores ídolos que o Cruzeiro teve nos últimos anos. A título de comparação, apesar de nem sempre ser bom comparar, mas, além do Ronaldo Fenômeno, não me lembro de um outro jogador que marcou tanto na história do Cruzeiro nos últimos vinte anos como o Juan Pablo Sorín - declara o dirigente.


Sem jogar há mais de cinco meses, Sorín vai passar por um período de recuperação da cirurgia no joelho direito, que deve durar cerca de 90 dias. O retorno aos gramados, segundo ele, só acontecerá quando estiver 100% recuperado.


- Logicamente que sou o primeiro ansioso para voltar. A ansiedade é total para jogar, mas sei que tem um período de preparação que vai ser muito importante para o resto da minha carreira, para ainda curtir com o futebol e me divertir dentro do campo. Por isso, a prioridade número um é voltar 100%, não ter pressa. Tomara que ainda possa jogar este ano - completa.


Sorín firmou um contrato simbólico com o Cruzeiro até o próximo dia 31 de dezembro, que pode ser prorrogado por mais dois anos.

04/09/2008

Tudo ou nada contra o Vaco


Uma vitória sobre o Vasco, nesta quinta-feira, a partir das 20h30, no estádio de São Januário, no Rio de Janeiro, manterá o Cruzeiro vivo na briga pelo título do Campeonato Brasileiro, contra Grêmio e Palmeiras. Já um simples empate ou a derrota pode inviabilizar a conquista do primeiro título de expressão desde a saudosa “Tríplice Coroa” de 2003.
Pode parecer cedo para tal conclusão, mas a distância do Cruzeiro para o líder Grêmio, de oito pontos, é considerável, ainda que restem 15 jogos para o fim da competição. O técnico Adílson Batista continua confiante no título. A única ressalva é que a reação no returno não pode mais ser adiada. Tem que ser no Rio de Janeiro. “É um momento em que não dá para ficar pensando em empatar jogo, e o importante é ir com o objetivo de vencer o Vasco”, disse.
No fundo, Adílson ainda conta com uma queda de rendimento dos adversários diretos. Ele até lembrou que o Flamengo passou por um momento similar ao que o Cruzeiro vive hoje no Brasileiro. O detalhe é que o Palmeiras, segundo colocado, está em ascensão e é o melhor time do returno, com nove pontos somados em 12. O Grêmio também demora a vacilar. E quando isso acontece, o Cruzeiro não faz a sua parte e perde pontos para times inferiores.
O único triunfo dos celestes no returno foi contra o Vitória. Em seguida, a equipe caiu diante de Botafogo e Santos. Para completar, o Cruzeiro ficou no empate com o Coritiba em casa.

Artilheiro do Cruzeiro anda "mal das pernas"


A partir de agora, caberá ao Cruzeiro ter um aproveitamento próximo de 82% na competição, algo que nem o Grêmio conseguiu até aqui. Dos 45 pontos possíveis, será preciso somar 37. “Nós temos as nossas preocupações, metas, objetivos, a gente passa tranqüilidade, confiança. O importante é a gente acreditar no título ainda, então vamos trabalhar, são 15 rodadas, são 45 pontos”, completou Adílson Batista, tentando alentar seus comandados.
O atacante Guilherme, artilheiro do time na competição, com 11 gols, está bem ciente da responsabilidade do Cruzeiro nos 15 confrontos decisivos. Ele foi duro e realista ao afirmar, nesta quarta-feira, que novo erro pode custar o sonho do título. “Se quiser ser campeão, temos que vencer agora”.

Contra o Vasco, o Cruzeiro irá a campo sem o zagueiro Espinoza, convocado para servir a seleção do Equador nas eliminatórias e sem o lateral-esquerdo Jadílson, lesionado no joelho esquerdo. O curinga Marquinhos Paraná, com uma contusão na coxa esquerda, segue em tratamento.
Léo Fortunato deve ser o escolhido para compor a dupla de zaga, enquanto Fernandinho terá nova oportunidade na lateral.
O grande mistério que Adílson leva para o vestiário está no ataque, entre Gérson Magrão e Jajá. Weldon e Wanderley correm por fora. Um deles formará a dupla com Guilherme.No Vasco, ameaçado de rebaixamento, o técnico Tite apelou para uma formação bastante ofensiva, com Mádson, Jean, Edmundo e Alan Kardec se revezando na criação das jogadas e na conclusão. O time é o 14º colocado, com 26 pontos, três acima da zona de rebaixamento. A urgência pela vitória chega a ser mais angustiante que a dos mineiros.

Fale conosco: cruzeironews@rocketmail.com

A COLUNA PALAVRA DO AUTOR É UMA POSTAGEM PERIÓDICA ONDE O CRIADOR DO CRUZEIRO NEWS (EMANOEL FERREIRA) EXPRESSA SUAS OPINIÕES.
FALA COM ELE: emanoelferreira@ymail.com

BLOGS QUE INDICAMOS: